LOADING...
lei geral de proteção de dados
27 fev

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entra em vigor em agosto de 2020

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entra em vigor em agosto de 2020 e isso vai afetar também o trabalho de marketing digital da empresas, que coletam e utilizam dados das pessoas na internet para serem mais certeiras no direcionamento de suas campanhas. Acompanhe algumas dicas para ter tranquilidade após a LGPD entrar em vigência.

Colete leads com uma base legal

A LGPD trará mais responsabilidade para as empresas na coleta e, principalmente, na forma como elas utilizam as informações do público. A sua base de leads deve ser composta apenas de contatos que entendem e aceitam que seus dados sejam aproveitados pelo seu negócio.

A nova lei fala sobre consentimento e o legítimo interesse. Logo você deve oferecer ao público o aceite do uso dos dados por seu negócio e a sinalização de que isso é do interesse dele. É importante ter responsabilidade no uso dos dados, para não permitir o vazamento de informações dos seus leads e evitar os sérios problemas jurídicos que isso pode causar.

O uso de cookies

Os identificadores gerados ou coletados via navegador ou no dispositivo são chamados de Cookies, que permitem aos usuários carregarem as páginas mais rapidamente em visitas subsequentes, mas também oferecem às empresas dados importantes da forma como o público de relaciona com os sites.

Estes dados ajudam a traçar perfis de comportamento, mas também podem facilitar a identificação de pessoas, por isso, o uso dos cookies também deve ser alertado e aceito pelo público através de um aviso e o aceite quando do acesso ao site.

Organizar automações

A LGPD não vai acabar com a criação de perfis e automação de marketing, mas vai impor alguns limites à essa prática que hoje não estão muito claros, principalmente no que diz respeito à invasão de privacidade. 

Na hora de fazer estas segmentações e automação, deverão ser respeitadas as expectativas e desejos criados no público, a forma como o conteúdo é oferecido, de acordo com as interações anteriores e também oferecer segurança para os dados coletados. 

Por exemplo, oferecer juros diferenciados em anúncios específicos para pessoas que tem melhor ou pior nome na praça, baseado nos dados concretos e particulares de cada pessoa, pode ser considerada uma ação discriminatória.

Comece a tomar algumas atitudes repensando seu trabalho de marketing digital para não sofrer sérias consequências legais após o início da vigência da Lei Geral de Proteção de Dados. Se preciso, procure uma empresa especialista em marketing digital para garantir que seu negócio está agindo da melhor forma possível. Fale com a Trama Digital e faça marketing com especialistas responsáveis e eficientes.

Leave A Comment